Ricas em gorduras mono e polinsaturadas, capazes de reduzir os níveis do colesterol ruim do sangue (LDL) e aumentar o bom colesterol (HDL), >as oleaginosas ajudam, por exemplo, a impedir o desenvolvimento de doenças cardiovasculares e, de quebra, dão sensação de saciedade.
Mas, as oleaginosas são também altamente calóricas, por isso é preciso muito cuidado para não exagerar na quantidade ingerida. – levando em base a dieta desejada.

Ajuda a evitar a propagação do câncer além de diminuir a sua incidência.
Outros benefícios desta fruta vêm das suas propriedades preventivas na cardiomiopatia, doença do miocárdio associada com disfunção cardíaca.
Também melhora o sistema imunológico, equilibra a atuação dos hormônios da tireóide e é poderoso antioxidante.

A castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa H.B.K.) é uma das plantas mais nobres e valiosas da Amazônia Ocidental e, atualmente, é o produto vegetal extrativo mais importante da Amazônia em valor ecológico, social, econômico e alimentar. Entretanto, apesar da importância, a maior parte do produto é comercializado apenas descascado, in natura, ou descascado e desidratado para melhor conservação. Pode-se dizer que a atual tecnologia empregada no Brasil, para o beneficiamento e a diversificação alimentar da castanha não sofreu grandes evoluções (Souza, 1984).

O endosperma da semente de castanha-do-brasil constitui um alimento bastante apreciado pelo sabor, e também pelas qualidades nutritivas. Vários estudos relatam que a amêndoa da castanha contém de 60 a 70% de lipídeos e cerca de 15 a 20% de proteínas de alto valor biológico (Cardarelli & Oliveira, 2000).

Segundo Gonçalves et al. (2002), a amêndoa da castanha-do-brasil, contém uma fração lipídica de boa qualidade e alto valor alimentar, denominados de ácidos graxos poli-insaturados que se apresentam nas seguintes proporções: 37,42% de oléico e 37,75% de linoléico, totalizando 75,17% dos ácidos graxos totais, bem como, 24,83% de ácidos saturados como o palmítico, o esteárico e o araquidônico, com 13,15%; 10,36% e 1,32%, respectivamente.

Entretanto, o alto teor de ácidos graxos insaturados presente na amêndoa o torna um alimento altamente perecível decorrente, principalmente, dos processos oxidativos, aos quais estes óleos estão expostos, o que, possivelmente, pode implicar na redução do valor nutricional, além do aparecimento do cheiro e sabor de ranço, se as amêndoas mantiverem-se expostas por muito tempo para serem comercializadas em condições de alta temperatura e alta umidade relativa.

A castanha-do-brasil contém minerais considerados importantes para o organismo humano, entre eles o fósforo, o cálcio, o magnésio, o potássio, o zinco, o manganês e o cobre, com os seguintes teores médios em miligramas por 100 g de matéria seca: 564,50; 206,75; 312,50; 514,75; 7,10; 6,86 e 1,17, respectivamente (Gonçalves et al., 2002).

Outros componentes considerados imprescindíveis para o organismo humano são os aminoácidos essenciais. A amêndoa da castanha-do-brasil apresenta estes constituintes químicos em gramas de aminoácidos por 100 g de proteína, nas seguintes proporções: Isoleucina, 3,09; Leucina, 8,58; Lisina, 4,53; Metionina, 7,12; Cistéina, 2,53; Triptofano, 1,10; Valina, 5,12 e Treonina, 3,02; respectivamente (Souza & Menezes, 2004).

Durante o descascamento manual da castanha-do-brasil, ocorrem danos mecânicos na amêndoa, pois a casca é constituída de material endurecido, principalmente celulose e esclerídeos, dificultando, assim, a sua retirada. Portanto, após o descascamento é realizada a separação das amêndoas trincadas, quebradas ou rachadas, etc. Em seguida as amêndoas intactas são classificadas por tamanho e tipo, embaladas a vácuo para serem comercializada no exterior, enquanto as amêndoas de qualidade inferior são embaladas em sacos plásticos simples com capacidade para 500g cada e destinadas ao consumo interno, conforme observado no mercado local (Souza, 1984).

Tendo em vista que grande parte de amêndoas considera de qualidade inferior é comercializada internamente, objetivou-se, com este trabalho, verificar se existe influência do beneficiamento e do armazenamento a temperatura ambiente sobre o teor de, ácidos graxos e perfil de aminoácidos essenciais de amêndoas de castanha-do-brasil consideradas intactas e danificadas.

Perfil de aminoácidos essenciais

O perfil de aminoácidos essenciais foi determinado em aparelho marca DIONEX, modelo DX 300, após hidrolise ácida. Para a hidrolise pesou-se, em triplicata, quantidade de amostra, contendo, aproximadamente 25 mg de proteína, a qual foi processada seguindo as recomendações gerais de Spackman et al. (1958).

Na Tabela 1, apresentam-se os dados da análise de minerais realizado em amostras de amêndoas de castanha-do-brasil, obtidas pelo processo de descascamento manual.


Ácidos graxos

Na Tabela 2, apresentam-se os resultados referentes à composição em ácidos graxos para amêndoas de castanha-do-brasil.

Teor de aminoácidos essenciais de amêndoas de castanha-do-brasil intactas e danificadas obtidas pelo processo de descascamento manual.

Observa-se, na Tabela 3, que todos os aminoácidos analisados nos dois tipos de amêndoas apresentaram diferenças significativas pelo teste de Scott-Knott (p < 0,05).

Os aminoácidos mais abundantes encontrados nos dois tipos de amêndoas intactas e danificadas foram: leucina com 8,98 e 7,03, metionina com 6,95 e 5,50; e valina, com 4,99 e 3,99 mg.100 g-1 de proteína; o conteúdo destes aminoácidos presentes na amêndoa sadia apresentou 20,92% do conteúdo total dos aminoácidos essenciais.

CONCLUSÃO

Amêndoas intactas apresentaram teores de minerais, ácidos graxos e aminoácidos preservados em relação às danificadas mecanicamente. Isso implica em que o inadequado manejo das castanhas leva a consideráveis perdas nas suas características de composição, principalmente ácidos graxos e aminoácidos.

Reginaldo Ferreira da SilvaI; Jose Luis Ramirez AscheriII; Joana Maria Leite de SouzaIII

IEmater-Acre – Avenida Nações Unidas, 2.604 – Estação Experimental – Cx. P. 462 – 69.912-600 – Rio Branco, AC - reginaldo.alimentos@gmail.com
IIEmbrapa Agroindústria de Alimentos – Rio de Janeiro,RJ
IIIEmbrapa-Acre – Rio Branco, AC

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARAÚJO, J.M.A. Química de alimentos: teoria e pratica. 3.ed. rev. e ampl. Viçosa, MG: UFV, 2004. 210p.     

ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS. Official methods of analytical of the Association of Official Analytical Chemists. 15.ed. Washington, 1990. v.2.   

CARDARELLI, H.R.; OLIVEIRA, A.J. Conservação do leite de castanha-do-pará. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.57, n.4, p.617, 2000.        

FELBERG, I.; DELIZA, R.; GONÇALVES, E.B.; ANTONIASSI, R.; FREITAS, S.C. de; CABRAL, L.C. Bebida mista de extrato de soja integral e castanha-do-brasil: caracterização físico-química, nutricional e aceitabilidade do consumidor. Alimentos e Nutrição, Araraquara, v.15, n.2, p.163-174, 2004.   

FERREIRA, D F. SISVARSistema de análises de variância para dados balanceados: programa de análises estatísticas e planejamento de experimentos. Versão 4.3. Lavras: UFLA, 2000.     

FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION. Energy and protein requirements: FAO/WHO nutrition meetings. Geneva, 1985. (Report series, 724). 

GONÇALVES, J.F. de C.; FERNANDES, A.V.; OLIVEIRA, A.F.M.; RODRIGUES, L.F.; MARENCO, R.A. Primary metabolism components of seeds from Brazilian Amazon tree species.Brazilian Journal Plant Physiology,Londrina, v.14, n.2, p.139-142, 2002. 

HARTMAN, L.; LAGO, R.C.A. Rapid preparation of fatty acid methyl esters from lipids: laboratory practice. [S.l.: s.n.], 1973. p.475-494.  

MALAVAOLTA, E.; VITTI, G.C.; OLIVEIRA, S.A. Avaliação de estado nutricional de plantas. Piracicaba: Potafos, 1989. 201p. 

SARRUGE, J.R.R.; HAAG, H.P. Análise química em plantas. Piracicaba: ESALQ/USP, 1974. 56p.   

SOUZA, M.L. de. Estudo de processos tecnológicos para a obtenção de produtos derivados da castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa, H.B.K.). 1984. 139f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos)-Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 1984. 

SOUZA, M.L.; MENEZES, H.C. Processamento de amêndoa e torta de castanha-do-brasil e farinha de mandioca: parâmetros de qualidade. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.24, p.120-128, jan./mar. 2004. 

SPACKMAN, D.C.; STEIN, W.H.; MOORE, S. Automatic recording apparatus for use in the chromatography of aminoacids. Analytical Biochemistry, New York, v.30, p.1190-1206, 1958.  

13 thoughts on “Os benefícios da Castanha do Pará / Castanha do Brasil

  1. Pena que quando agente é orientado pelos médicos, é que percebe o valor nutriente da castanha do para, isso é pra ser divulgado pelo ministério da saúde, para prevenção de várias doenças.

  2. adoro A CASTANHA DO PARÁ,,,,,,SEMPRE QUE POSSO COMO 2 A3 POR DIA{PENA QUE SENDO UM PRODUTO NOSSO É MUITO CARO,,,

  3. Por incrível que pareça, mas é pura verdade, eu tinha quedas de cabelos constantes, uma amiga me aconselhou a comer 3 castanhas do Pará por dia, e mais ou menos 1 mês e meio ingerindo castanhas todos os dias me dei conta que a queda cessou por completo, somente caem os fios que considero dentro da normalidade.
    Santas castanhas do Pará, não fico mais sem elas, veradeiro remédio natural, agradecimentos a mãe natureza, muito obrigada!

Deixe seu comentário